Publicada em 09/08/2017 às 10h29. Atualizada em 10/08/2017 às 09h17

Até quantos anos uma criança pode ser amamentada?

Essa e outras dúvidas são respondidas nesta entrevista especial com a enfermeira e professora da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Maria Thaís Calazans.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

O mês de agosto celebra um ato natural e benéfico para a saúde de mães e bebês: a amamentação. Mesmo sendo recomendado unanimemente por médicos e outros profissionais de saúde, muitas mães optam por não amamentar por questões diversas, desde a falta de tempo, pelo corre-corre do dia a dia, até por mitos como prejuízo da estética da mama. Outros mitos que também circundam o tema como “leite fraco” e “uso de próteses mamárias” são abordados pela enfermeira Maria Thaís Calazans. Confira!

iSaúde Bahia - Quais são os benefícios que a amamentação traz para a mãe e a criança?

Maria Thaís Calazans - MÃE: amamentar traz um forte vínculo afetivo, acelera a recuperação do parto por ação da ocitocina na involução uterina. Promove perda de peso após a gravidez. A amamentação pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares, do câncer de mama, endométrio e de ovário. Tem ainda efeito contraceptivo liberando prolactina levando à anovulação e promovendo intervalo interpartal, principalmente no pós-parto imediato. 

FILHO: o leite humano é o alimento mais completo para a criança por conter aspectos nutricionais ideais, com balanceamento adequado de nutrientes importantes na diminuição da morbidade e mortalidade infantil. Permite grande impacto na promoção da saúde integral do bebê, devido aos benefícios no que diz respeito à nutrição, função gastrointestinal, defesa imunológica e bem-estar psicológico, pois reduz índices de alergias em geral, asma brônquica, aterosclerose e doenças cardiovasculares, colite ulcerativa, dermatite atópica, desnutrição, diabetes mellitus e doenças gastrointestinais O aleitamento materno é uma estratégia natural de vínculo, afeto, proteção e nutrição para o recém-nascido. 

FAMILIARES: economia com a alimentação artificial do recém-nascido, medicamentos, exames laboratoriais e hospitalização da criança.

iSB - O leite materno é a principal alimentação de um recém-nascido. Até quantos anos de vida a criança pode consumi-lo? A partir de quantos meses o neném pode se alimentar com outras coisas além do leite materno.

Maria Thaís Calazans – A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda amamentação exclusiva até o sexto mês de vida e a continuidade do aleitamento materno até o segundo ano de vida ou mais. A introdução de outros alimentos se dará a partir do sexto mês. Entretanto, na prática, observa-se a dificuldade de mulheres que trabalham em amamentar seus filhos de forma exclusiva até o sexto mês, visto que a licença-maternidade lhes dá quatro meses de afastamento, levando a maioria delas a introduzir leite artificial e outros alimentos antes do sexto mês.

iSB - A mãe que não tem uma alimentação adequada pode enfraquecer o leite materno?

Maria Thaís Calazans – Não, isso é mito. A mulher poderá se sentir fraca por falta de uma alimentação equilibrada, entretanto, a produção de leite não é afetada. Essa é uma realidade que podemos observar em mulheres africanas que, mesmo desnutridas e com alimentação precária, amamentam seus filhos.

iSB - Estresse prejudica na produção de leite?

Maria Thaís Calazans – É comum que o estresse pós-parto atrapalhe a descida inicial do leite materno (LM), trazendo um pequeno retardo dessa descida. O organismo precisa se adaptar à nova realidade. É comum que as mulheres se sintam cansadas e com uma nova carga de responsabilidades gerando sentimentos de incapacidade, medo e insegurança. Depois dessa fase inicial, a produção de leite acontece de forma natural.

iSB - Amamentar é uma forma de contraceptivo? Ou seja, quando a mãe amamenta o bebê, ela não menstrua? Há riscos de gravidez nesse período?

Maria Thaís Calazans – Sim, se a mulher estiver em aleitamento exclusivo em livre demanda. Embora a amamentação prolongue a anovulação, não deve ser considerada um meio inteiramente confiável de contracepção, pois estudos mostram que a maior parte das mulheres que iniciaram o aleitamento materno após o parto, mais da metade das crianças já não se encontra em amamentação exclusiva no primeiro mês de vida. Se a mulher não amamenta exclusivamente, existe, sim, risco de gravidez, tornando necessária a prescrição de método contraceptivo à base de progestágenos que não atrapalhem a lactação.

"Mulheres que colocaram prótese de silicone, em geral não devem se preocupar, porque esse tipo de cirurgia não costuma interferir na amamentação..."

iSB - Próteses de silicone prejudicam a amamentação?

Maria Thaís Calazans – Mulheres que colocaram prótese de silicone, em geral não devem se preocupar, porque esse tipo de cirurgia não costuma interferir na amamentação, já que a estrutura das glândulas e dos ductos é preservada na cirurgia, pois a prótese é colocada por trás deles. Já no caso de cirurgia para redução das mamas, em alguns casos, talvez seja mais difícil amamentar, a depender da técnica cirúrgica utilizada. 

iSB - Durante a amamentação, é indicado revezar as mamas para amamentar?

Maria Thaís Calazans – Em cada mamada, ambas as mamas poderão ser oferecidas, dependendo da necessidade da criança. Deixe que a criança sugue o peito o tempo que desejar, solte, espontaneamente, para só então oferecer a outra mama. Na mamada seguinte, deve-se começar pela mama em que o bebê mamou por último. Há, entretanto, alguns bebês que não aceitam o segundo peito. Daí a importância de ensinar à mulher, desde o pré-natal, técnicas de ordenha, para evitar o ingurgitamento.

iSB - Como higienizar as mamas antes e após a amamentação?

Maria Thaís Calazans – É muito importante que a mulher lave as mãos e limpe cuidadosamente os seios, antes e após cada mamada, com a ajuda de um algodão ou com uma gaze humedecida em água previamente fervida. São importantes, também, outros cuidados como banho de sol e uso de sutiã de alças largas e confortável. A higiene adequada e o cuidado com as mamas serão fundamentais na prevenção de intercorrências como irritação, rachaduras, fungos, mastites, que podem ocasionar interrupção temporária do aleitamento.

iSB - Quando é que ocorre o empedramento do leite? Como voltar a produzi-lo?

Maria Thaís Calazans – É quando ocorre o esvaziamento inadequado das mamas por mamadas infrequentes, sucção inadequada, pressão local  em  uma  determinada  área  (sutiã  muito  apertado  ou  com  suporte  de  arame), tornando os seios sensíveis e doloridos durante as mamadas. Para que a produção do leite normalize, deve-se realizar massagem delicada com o objetivo de dissolver a “pedra” de leite; realizar ordenha manual na região afetada; amamentar em distintas posições, oferecendo primeiro a mama afetada; aplicar compressas mornas no local juntamente com massagens delicadas na região endurecida.

iSB - Mães que ingerem bebidas alcoólicas, drogas e cigarros prejudicam a saúde do bebê durante a amamentação? 

Maria Thaís Calazans – Sim, pois tudo que é ingerido, cheirado, tragado passa para criança através do leite materno, causando danos graves à sua saúde física e mental. Por isso, é contraindicada a amamentação por usuárias de drogas ilícitas e etilistas que não aderem aos planos de tratamento para abstinência. No caso do tabagismo, apesar de também trazer danos à criança, não se contraindica amamentação, porém mulheres tabagistas são incentivadas quanto à abstinência do uso desde a gestação.

Compartilhe

Autor(es)

  • Maria Thaís Calasans / COREN 47847

    Coordenadora do Núcleo de Iniciação Científica e Tecnológica da EBMSP (NICTEC) Docente da Graduação em Enfermagem Coordenadora da Especialização em Enfermagem Pediátrica e Neonatal Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Saiba Mais

     

    Redes Sociais