Publicada em 23/08/2013 às 00h00.

Como é realizada a cirurgia ocular a laser?

A médica oftalmologista Dra. Fernanda P. Magalhães explica sobre os tipos de cirurgias refrativas que usam laser.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

"A cirurgia refrativa compreende os procedimentos cirúrgicos que têm por finalidade diminuir e, se possível, eliminar os erros de refração (miopia, hipermetropia e astigmatismo)..."

A cirurgia refrativa compreende os procedimentos cirúrgicos que têm por finalidade diminuir e, se possível, eliminar os erros de refração (miopia, hipermetropia e astigmatismo), diminuindo a dependência dos óculos. Existem duas principais técnicas cirúrgicas relacionadas com a aplicação do laser na córnea: a PRK (ceratectomia fotorrefrativa) e a LASIK (Ceratomileuse in situ assistida por laser). Ambas as técnicas são consideradas seguras em candidatos selecionados. 

A avaliação pré-operatória do paciente candidato à cirurgia refrativa deve ser completa e rigorosa. Inclui a medida da acuidade visual sem óculos e com óculos, exame do grau (realizado sem dilatar e após a dilatação pupilar), medida da pressão intraocular, avaliação do filme lacrimal, exame da movimentação dos músculos oculares e avaliação do segmento anterior do olho e do fundo de olho. Além disso, é necessária a realização de exames para avaliar a superfície e curvatura corneanas e a espessura da córnea.  

No caso de cirurgias personalizadas é realizado o exame de aberrometria (para avaliar as aberrações oculares) pré-operatório. É com base nesse conjunto de exames que se pode avaliar se um paciente é ou não considerado um bom candidato para a realização do procedimento cirúrgico e determinar qual a melhor técnica indicada para cada caso.

A técnica do PRK consiste na aplicação do laser na superfície corneana, não existindo cortes. O epitélio da córnea, a camada mais superficial, é removido (raspado). Após a remoção desse epitélio, o excimer laser (laser que faz a remoção do grau) é aplicado. Ao final da cirurgia é colocada uma lente de contato terapêutica que é removida após cerca de cinco a sete dias da cirurgia. O PRK pode estar associado com algum grau de desconforto passageiro no pós-operatório inicial e a recuperação visual um pouco mais lenta. A complicação mais relacionada ao PRK é o risco de desenvolvimento de uma opacidade corneana (haze) que pode estar relacionada à regressão parcial do erro refracional e a graus variáveis de diminuição da acuidade visual. 

Com o objetivo de diminuir tal complicação, foi adicionada à técnica operatória a aplicação de uma substância chamada mitomicina C, tópica, no final da cirurgia, em pacientes com graus elevados e naqueles que apresentam um risco maior de desenvolver haze. O uso da mitomicina C tem permitido a indicação do PRK em pacientes com graus mais elevados, com maior segurança.

A confecção do flap pode ser feita de duas maneiras. Com o microcerátomo (lâmina) ou, de forma mais moderna, o flap pode ser confeccionado através de um laser chamado femtosegundo. As vantagens do LASIK são a rápida recuperação visual e o menor desconforto no pós-operatório inicial. Dentre as complicações exclusivas relacionadas a essa técnica estão aquelas descritas no momento da confecção do flap. Por este motivo, a cirurgia pode ser interrompida e o paciente geralmente pode ser reoperado após um período de 60 a 90 dias. A taxa de complicações relacionadas com a confecção do flap é teoricamente mais baixa quando realizada através do laser de femtosegundo. Tanto com o PRK quanto com o LASIK (com microcerátomo ou com femtosegundo), os resultados são bons, na grande maioria dos pacientes.         

Pós-Operatório

Os cuidados pós-operatórios incluem o uso de colírios de antibiótico e anti-inflamatórios, comparecimento às visitas regulares de revisão médica, evitar exposição aos raios solares e banhos de mar e/ou piscina. Geralmente, cerca de cinco a sete dias após a cirurgia, os pacientes já estão aptos e liberados para realizar suas atividades laborativas. Os dois olhos podem ser operados no mesmo dia ou em dias separados, a depender de preferências do cirurgião e do paciente.           

Alguns pacientes podem apresentar sintomas de olho seco no pós-operatório da cirurgia refrativa, que, na maior parte dos casos é tratado apenas com o uso de lubrificantes (lágrimas artificiais) tópicos. A ectasia corneana é uma rara complicação descrita após a cirurgia refrativa, na qual a córnea sofre algumas deformações e fica mais fina do que o normal. Em pacientes que fazem o acompanhamento regular com o médico oftalmologista, essa rara complicação pode ser diagnosticada de forma precoce, podendo ser tratada com a aplicação de um laser chamado cross-linking (para fortalecer a córnea) que visa evitar a piora do quadro. 

A cirurgia refrativa é uma das cirurgias mais realizadas no mundo, tem um baixo índice de complicações, quando bem indicada pelo médico oftalmologista e quando há a devida colaboração dos pacientes com os cuidados pós-operatórios. Com o avanço da medicina, as técnicas de cirurgia refrativa têm-se tornado cada vez mais seguras. Porém, como todo procedimento cirúrgico da área médica, existem algumas complicações descritas, que, quando adequadamente conduzidas, não trazem danos à visão na grande maioria dos pacientes. 

Compartilhe
 

Redes Sociais