Publicada em 31/01/2018 às 00h00. Atualizada em 31/01/2018 às 12h09

Cuidado com a caipirinha no sol!

Você já ouviu falar em Fitodermatose?

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Você pode não conhecer o significado de fitofotodermatose, mas certamente já ouviu falar de alguém que se queimou ao manusear limões e se expor ao sol. Fitofotodermatose é o termo médico para esse tipo de lesão. As frutas cítricas e algumas outras plantas contêm um tipo de substância - as furocumarinas, necessárias para defender os vegetais do ataque de alguns fungos - que, ao contato com a luz do sol, aumentam a sensibilidade da pele àquela luz, provocando queimaduras mais rapidamente do que seria esperado à exposição solar. 

Essa sensibilidade se inicia cerca de 30 a 120 minutos após o contato com a substância, mas também pode aparecer após 24 horas. Assim, é comum as pessoas manusearem limões ou outras frutas cítricas, fazendo caipirinhas, sucos, espremendo limões para colocar em alguns alimentos como peixes, camarões, churrasco, saladas ou mesmo colhendo algumas frutas no pé. Após algum tempo, expõem-se ao sol, principalmente em ambientes de clubes, praias, sítios e outras atividades ao ar livre. Mesmo após lavar as mãos, podem ficar muitos resíduos da substância que provoca a queimadura.

De 24 a 72 horas depois, surgem áreas vermelhas, inchaço e até bolhas (queimadura de segundo grau) nos locais expostos. Depois de uma a duas semanas após a exposição surgem manchas acastanhadas no local, o que pode durar de semanas a anos. O local pode ficar mais sensível ao sol por vários anos. A pele molhada com suor ou o calor aumentam a sensibilidade da pele aos furocumarínicos. A intensidade da lesão varia conforme a quantidade de substância com que se teve contato, com o tempo de exposição ao sol e com a suscetibilidade da pele.                               

Quais são as frutas e plantas mais comumente relacionadas a esse tipo de queimadura?

Limões, particularmente o taiti, tangerinas, limas, figo, aipo, coentro, cenoura, erva-doce, salsa, mostarda, nabo, mama cadela, erva de São João, além de perfumes com extratos de frutas cítricas. 

Essa reação pode ser grave?  

Sim, pode formar bolhas pequenas ou grandes, dependendo da intensidade da reação. Essa lesão pode infeccionar e complicar ainda mais o quadro, que, por si só, já deixa manchas escurecidas no local e, dependendo da intensidade e tamanho da exposição e se houver ou não infecção associada, uma mancha mais escura que pode durar semanas ou até meses e pode incomodar por muito tempo esteticamente o paciente acometido.    

Como prevenir?

Procure não manusear frutas cítricas e se expor ao sol. Lave muito bem as mãos após o contato com essas plantas, com água e sabão, várias vezes. Portanto, cuidado com a caipirinha na praia ou no clube e até mesmo com o ato de espremer o limão sobre o peixe, pois você pode provocar uma queimadura grave na pele. E, se houve queimadura, procure um médico.

Compartilhe
Serviços Gratuitos
  • Ambulatório Docente-Assistencial da Bahiana (ADAB)
    Tel.: (71) 3276 8200
    End. Av. D. João VI, 275, Brotas, Salvador, Bahia, CEP. 40.290.000
  • Hospital Universitário Prof. Edgard Santos (HUPES)
    Tel: 3283-8392
    Rua Augusto Viana S/N, Canela, Salvador, Bahia - Cep 40.110-060
 

Redes Sociais