Publicada em 04/12/2013 às 00h00. Atualizada em 20/01/2015 às 10h08

Mitos e Verdades sobre a ingestão de água e hidratação

Sabia que o espinafre possui 91% de água? Confira essas e outras curiosidades.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

A água exerce diversas funções essenciais para a nossa saúde. O precioso líquido é o que faz nutrientes, detritos e um sem-número de substâncias circularem pelo nosso organismo. Não é à toa que aproximadamente 70% do corpo humano adulto é composto de água.

Por isso, o iSaúde Bahia, em parceria com a enfermeira Wyne Rodrigues Barberino, listou os 10 mitos mais comuns sobre água e desidratação. Confira:

Beber bastante água “purifica” o corpo.

Verdade. O consumo de água é vital para o nosso organismo, tendo em vista que quando não nos hidratamos de maneira adequada, substâncias tóxicas e prejudiciais deixam de ser excretadas, ficando retidas no nosso corpo e abrindo espaço para doenças. O consumo adequado de água facilita a eliminação de toxinas e garante o equilíbrio hídrico do organismo.

Água é sempre a melhor opção para hidratar o corpo.

Parcialmente verdade. Embora a água seja uma excelente opção para nos mantermos hidratados, ela pode não ser a melhor alternativa em todas as situações. Atletas e praticantes de atividades físicas intensas podem ter necessidade de consumir outros tipos bebidas, como por exemplo, os isotônicos. Tais bebidas auxiliam na reposição de substâncias importantes para o bom funcionamento do corpo, tais como água, carboidratos e eletrólitos. Porém, devem ser utilizadas com cuidado, antes ou durante exercícios intensos e com grande duração.

Urina clara indica boa hidratação.

Verdade.  Não precisamos, porém, exagerar até o ponto de o xixi ficar completamente sem cor. A urina totalmente incolor significa que a pessoa consumiu muita água e, sendo assim, tudo que entra, sai, sem o devido aproveitamento do organismo. Para a maioria das pessoas saudáveis, uma urina amarelo claro sugere um hidratação adequada, enquanto a amarelo escuro pode indicar uma desidratação. Entretanto, cabe destacar que a hidratação não é o único aspecto que pode alterar a cor da urina, alguns medicamento, suplementos e vitaminas podem interferir nessa coloração.

Não devemos beber água apenas quando sentimos sede.

Verdade. A sede é um alerta tardio da falta de água no nosso organismo, ela geralmente aparece quando o corpo já esgotou suas reservas. O ideal é consumirmos líquidos (não apenas água) com frequência e, assim, nos manteremos sempre hidratados.

É preciso beber em média 2 litros de água por dia.

"Não existe uma regra clara e definitiva sobre a quantidade ideal de água que devemos beber. Isso vai depender da sua massa corporal, do clima, da sua alimentação..."

Mito. Não existe uma regra clara e definitiva sobre a quantidade ideal de água que devemos beber. Isso vai depender da sua massa corporal, do clima, da sua alimentação e do tipo de atividade que você está fazendo. A média diária de ingestão de água para um adulto é de aproximadamente  dois a três litros. Porém, é importante lembrarmos que nosso organismo obtém água também através de outras fontes: sucos naturais, chás, leites, frutas, verduras e legumes.  Não é preciso exagerar e beber inúmeros copos de água durante o dia, já que o excesso de líquido pode ser prejudicial, visto que sobrecarrega os rins.

Beber água faz bem para a pele.

Verdade. A água faz bem para todo o organismo e para a pele não é diferente.  Quando estamos desidratados nossa pele fica ressecada e perde o viço, além de o organismo acumular toxinas prejudiciais à pele.

Tomar água gelada emagrece.

Parcialmente verdade. A água gelada funciona como um termogênico que acelera o metabolismo.  Isso acontece porque a água gelada está muito abaixo da temperatura do corpo (cerca de 40 graus) e o organismo faz esforço para igualar essa temperatura, gastando, assim,  mais energia e ajudando a queima de calorias. Porém, cabe lembrarmos de que, para emagrecer com saúde, a regra é simples: reeducação alimentar e prática de atividades físicas.

Beber água durante a refeição faz mal.

Mito. Não faz mal, mas pode causar desconforto e atrapalhar a digestão. Ao ingerirmos algum líquido, seja água, suco ou refrigerante, durante as refeições, o suco gástrico acaba diluindo-se e retardando o processo digestivo. Ocasionalmente, esse hábito pode gerar gases. 

Confira alguns alimentos que podem auxiliar a sua hidratação:

Melancia - 92% de água?

Ideal para ser consumida nos dias mais quentes, ela ainda tem a vantagem de ser pouco calórica.

Espinafre - 91% de água?

Rica em vitaminas e sais minerais, a hortaliça é essencial para a formação dos ossos, dentes, construção muscular e coagulação sanguínea.

Alface - 96% de água?

A alface é um excelente alimento para quem faz dietas de emagrecimento, pois é nutritiva e pouco calórica.

Uva - 81% de água?

A uva, além de ser uma fruta muito saborosa, contém boa fonte de propriedades nutricionais, como a vitamina C e vitaminas do complexo B.

Laranja - 87% de água?

A laranja é uma fruta bastante comum na dieta dos brasileiros. Rica em vitamina C melhora o sistema cardíaco e digestivo.

Chuchu - 95% de água?

Pode ser usado com ótimos resultados por quem busca reduzir alguns quilos, ou para combater diabetes.

Tomate - 93% água?

O tomate é rico em licopeno, uma substância antioxidante relacionada com a diminuição do índice de câncer de pulmão e de próstata.

Abobrinha - 94% de água?

Esse alimento é um aliado do coração e dos ossos. Sua casca é rica em fibras e, por isso, não deve ser descascada para o consumo e nem cozida por muito tempo.

Pepino - 92% de água?

Rico em fibras, o pepino é um forte aliado na digestão e na manutenção da pele sempre jovem.

Iogurte - 82% de água?

O consumo regular de iogurte ajuda a recompor as bactérias benéficas da flora intestinal - probióticos.

Referências:

Ministério da Saúde

Compartilhe

Autor(es)

  • Wyne Rodrigues Barberino / COREN-BA 322.610

    Graduada em enfermagem pela Faculdade Estácio de Sá (2011), Pós- Graduada em enfermagem em emergência e UTI (2013). Atualmente enfermeira/coordenadora da Estratégia de Saúde da Família.

 

Redes Sociais