Publicada em 24/05/2016 às 00h00. Atualizada em 25/05/2016 às 16h17

Mitos e Verdades sobre o Café

Confira alguns mitos sobre a ação da cafeína no organismo humano e saiba como melhor desfrutar dessa substância.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Será que aquele cafezinho para “despertar” as ideias realmente funciona? E qual a melhor hora para tomar café? Será que é mesmo logo ao despertar? A nutricionista Elaine Janaína Conceição aponta o que é mito e o que é real sobre o consumo e a ação da cafeína no nosso organismo. Confira.

iSaúde Bahia - É verdade que o café (cafeína)  realmente "desperta" o organismo? 

Elaine Janaína Conceição — A cafeína é uma substância classificada como um alcaloide farmacologicamente ativo, estimulante do sistema nervoso central. É uma substância de caráter lipossolúvel. Para muitas pessoas, esse item faz parte da rotina diária e pode ser encontrado largamente em bebidas como chá, café, guaraná, cacau, refrigerantes e chocolates, por exemplo. 

É considerada uma substância estimulante, um ergogênico natural (substâncias usadas na tentativa de aumentar a potência física, força mental e eficácia mecânica). 

Sabe-se que, quando consumida em baixas dosagens (2mg/kg), a cafeína provoca: o aumento do estado de vigília, diminuição da sonolência e da fadiga, elevação da respiração, da frequência cardíaca, no metabolismo e na diurese. Melhora também a performance cognitiva e pscicomotora do seu consumidor, acentuando o estado de alerta, a capacidade de concentração  e vigilância auditiva, bem como diminuindo a sonolência e o cansaço. Ou seja, diante de sua atuação direta ou indireta o metabolismo humano é considerado um estimulante.

Vale ressaltar que em altas dosagens (15mg/kg) a cafeína pode causar insônia, tremores, nervosismo e desidratação.

Aproximadamente 100% da sua ingestão oral é rapidamente absorvida pelo trato gastrointestinal, atingindo concentração máxima na corrente sanguínea após 15 a 20 minutos, em que a sua ação pode atingir todos os tecidos, depois de degradada pelo fígado e excretada pela urina na forma de coprodutos.

A cafeína é dotada do recurso de estimular o sistema nervoso central, interferir no sistema musculoesquelético e cardíaco, assim como liberar e atuar em diferentes hormônios do corpo humano, havendo consequências  metabólicas consideradas estimulantes.

iSB - Qual sua relação com o cortisol?

Elaine Janaína Conceição — A cafeína estimula a libertação de cortisol e da adrenalina, o que gera um aumento na pressão arterial e outras reações estimulantes no organismo, cujos mecanismos ainda estão sendo descritos com maior detalhe pelos estudos científicos.

iSB - Qual a melhor hora para tomar café? É verdade que tomar café após o fim da tarde pode dar insônia?

Elaine Janaína Conceição — Os horários e a tolerância para ingerir essa infusão vão depender de vários fatores como: frequência de ingestão, hábitos alimentares e o estilo de vida (consumo de álcool ou tabaco), predisposição  genética etc .

Os efeitos do café no consumidor variam, ou seja, cada pessoa apresenta uma sensibilidade diferente à cafeína. Contudo, pode-se ingerir preferencialmente pela manhã, ao iniciar as atividades (vide efeito estimulante descrito anteriormente), ou mesmo à noite se a intenção for manter os estímulos corporais.

Pode-se evitar o consumo de bebidas com cafeína à noite por ele provocar, em muitos casos, insônia, agitação, irritabilidade e ansiedade, ocorrendo efeito indesejado em alguns deles. 

iSB - O café é mesmo ZERO caloria?

Elaine Janaína Conceição — A cafeína é uma das substâncias presentes no café.  Sabe-se que ela não contém em si calorias nem valor nutricional. O grão verde do café apresenta composição química complexa formada por 2000 compostos químicos. 

Segundo a Tabela de Composição de Alimentos TACO, em 100g do café em pó torrado constam 419 kcal.  Contudo, a porção consumida usualmente, uma xícara, tem de 7 a 9 kcal, sendo considerada em geral uma bebida de baixa caloria. Apesar disso os "acompanhantes" da infusão como açúcares e leites podem se somar ao seu valor energético tornando a bebida mais calórica e, por isso, nos casos de restrição calórica deve-se optar por açúcares mais naturais como o demerara, mascavo e orgânico (utilizados em menor quantidade com o poder adoçante diferente e maior quantidade de micronutrientes do que o açúcar cristal e refinado, em detrimento aos refinados. Outra possibilidade é utilizar o leite desnatado ou semidesnatado com menor teor de gordura que o leite integral e, consequentemente, menos calorias.

iSB - O primeiro café do dia deve ser o com leite ou puro? O café preto de manhã cedo (em jejum) faz mal?

"A cafeína presente no café, por ser uma substância de rápida absorção, tem 100% de sua ingestão oral absorvida pelo trato gastrointestinal atingindo níveis plasmáticos já de 30 a 120 minutos".

Elaine Janaína Conceição — A cafeína presente no café, por ser uma substância de rápida absorção, tem 100% de sua ingestão oral absorvida pelo trato gastrointestinal atingindo níveis plasmáticos já de 30 a 120 minutos. Diante disto, muito se sugere sobre a possibilidade de alguns indivíduos apresentarem desconforto abdominal, principalmente azia, ao consumi-lo em jejum, porém isto  variando de pessoa para pessoa. Deve-se observar as reações do corpo com o consumo logo pela manhã, em jejum e, caso haja alteração, deve-se suspender o seu uso dessa forma. Tal efeito pode ter como base uma irritação direta da mucosa esofágica, gerando fomento ao refluxo esofágico.

A adição de leite na bebida agrega-lhe demais nutrientes, o que é positivo, porém se a pessoa apresentar alguma intolerância ao leite, ou mesmo não preferir seu uso, de outras formas pode-se equilibrar o seu cardápio consumido-se o “café preto”.

Confira a segunda parte da entrevista: Você não vive sem aquele cafezinho? Melhor tomar cuidado

Compartilhe

Autor(es)

  • Elaine Janaína Linhares da Conceição

    Elaine Janaína Linhares da Conceição / CRN5- 4673

    Nutricionista graduada pela UFBA, mestranda do curso de pós-graduação em Alimentos, Nutrição e Saúde – UFBA. Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Gama Filho – RJ. Especialização em Segurança Nutricional e Qualidade dos Alimentos. Experiência como nutricionista de Produção e Planejamento de Refeições para Coletividade.

Saiba Mais

     

    Redes Sociais