Publicada em 27/07/2015 às 00h00.

Tecnologias de comunicação na saúde: Fique por dentro dessa novidade

O uso de celulares e tablets estão se expandindo rapidamente nos campos de cuidados da saúde, é a conhecida “mHealth”. Saiba mais!

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

"Os dispositivos móveis apresentam um importante papel no processo de comunicação, favorecendo a interação entre os indivíduos a qualquer hora, em qualquer lugar, através de dispositivos que cabem na palma mão."

Uma das principais conquistas do século XX foi a televisão, que permitiu aos telespectadores assistir com mais facilidade os fatos ocorridos. A Internet permitiu a conexão global entre pessoas, empresas e países, tornando essa comunicação cada vez mais rápida. Os dispositivos móveis apresentam um importante papel no processo de comunicação, favorecendo a interação entre os indivíduos a qualquer hora, em qualquer lugar, através de dispositivos que cabem na palma mão. 

Os meios de comunicação inseridos na sociedade vêm sofrendo transformações e adaptações, ao longo dos anos, de acordo com a demanda de cada geração e com o momento histórico em que se vive. 

A era em que nos encontramos está dominada pelas tecnologias de comunicação e informação. Já não se concebe mais a vida e sua rotina sem esses recursos e necessitamos “estar conectados” para termos acesso ao maior número de informações possíveis.

Atualmente temos registrado, no Brasil, 283,5 milhões de usuários de celular, dado expressivo que demonstra o interesse da população brasileira pela tecnologia móvel. Nesse contexto, o desenvolvimento de tecnologias móveis sugere novos modelos de comunicação e consumo de informação. Essas tecnologias são utilizadas em diversos ambientes: profissional, pessoal e educacional. 

O uso de celulares e tablets estão se expandindo rapidamente nos campos de cuidados da saúde, conhecida como “mHealth” – saúde móvel. Fatores como a facilidade do acesso, mobilidade, baixo custo e a capacidade contínua de transmissão de dados são facilitadores do uso de aplicações móveis na saúde.

Os recursos de tecnologia de informação e comunicação em saúde podem fornecer meios mais flexíveis e poderosos para monitorar, avaliar e gerenciar o estado de saúde e bem-estar de indivíduos e populações.

Existem diversos aplicativos (APPs) que ajudam a saúde e que estão disponíveis para sua utilização nas plataformas móveis. Abrangem, desde fitness ao monitoramento e controle de diversas patologias. Alguns profissionais, no Brasil, já sugerem e prescrevem alguns aplicativos para seus pacientes, visando o monitoramento e otimização do tratamento. Essa tecnologia permite que o profissional de saúde esteja mais presente, por meio de monitoramento a distância e envio de gráficos diariamente. É importante lembrar de que o uso de APPs não isenta a consulta com os profissionais da saúde, mas funciona como um recurso complementar e facilitador da relação médico – paciente diariamente.

Importante frisar que a tecnologia existe para servir as pessoas, sendo desenvolvida para que tenhamos mais tempo para incrementar as relações e vínculos com os pacientes, descobrindo, assim, as suas necessidades e vontades. A agilidade de monitoramento e acompanhamento dos pacientes a distância pode ser considerada um facilitador para a solução da problemática da mobilidade urbana e do melhor aproveitamento do tempo.

Os aplicativos de saúde estão voltados para: bem-estar e prevenção (fornece informações e dicas de saúde); diagnóstico (consultas interativas e diagnóstico); tratamento (lembrete de remédios e acompanhamento de exames) e monitoramento (pressão arterial, batimentos cardíacos, diário alimentar, entre outros). Atualmente, os pacientes enfrentam uma variedade enorme de aplicativos de saúde para escolher, dispondo de pouca orientação sobre a qualidade. 

O aspecto de usabilidade é de extrema importância para garantir e/ou facilitar a aceitação ou rejeição aos recursos de tecnologia de informação e comunicação. Os aplicativos para smartphones exploram muito tais recursos e alcançam altos níveis de aceitação pela simplicidade e foco por proposta. 

"É importante que os profissionais de saúde estejam presentes e envolvidos no processo de desenvolvimento e/ou seleção de sistemas informatizados, fornecendo conhecimento e experiência para o planejamento, gestão, ensino e atendimento. "

É importante que os profissionais de saúde estejam presentes e envolvidos no processo de desenvolvimento e/ou seleção de sistemas informatizados, fornecendo conhecimento e experiência para o planejamento, gestão, ensino e atendimento. Os sistemas devem sempre atentar em escolher uma forma de apresentação fácil para o manuseio de qualquer pessoa. A equipe do CAAP (Centro de Atenção ao Assoalho Pélvico) da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, que presta assistência à população, de forma gratuita, em conjunto com os pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco, desenvolveram um aplicativo que disponibiliza um diário miccional (recurso para diagnóstico e decisão de conduta terapêutica de problemas urinários), numa plataforma móvel, que identifica uma nova forma de monitoramento dinâmico através de um ambiente interativo. Com essa interface, o terapeuta poderá nortear suas condutas e, assim, conduzir uma terapêutica a distância e potencializar a melhora do paciente.

O EduMicc® é um aplicativo que está sendo desenvolvido para oferecer, por meio da associação entre as informações coletadas de diário miccional e alarmes programados por um profissional de saúde, um recurso terapêutico para o paciente. Além do registro das informações, é possível gravar e obter esclarecimentos sobre a posição mais adequada para urinar, bem como a cor e o som da urina. A principal diferença é que, além do preenchimento dos dados do diário, as informações coletadas são transmitidas a uma plataforma na web que permitirá que o profissional de saúde tenha acesso aos registros do paciente, sendo possível uma intervenção em tempo real e a distância. Além disso, através dessa plataforma e das informações prestadas, o médico pode definir alarmes miccionais na aplicação móvel para que o paciente lembre-se da micção ou da ingestão de líquidos durante o dia.

Referências:

Telecom/Anatel. Estatísticas de celulares no Brasil [Internet]. Local de Publicação; ano [Abril de 2015; Acesso em: 07/06/2015]. Disponível em: http://www.teleco.com.br/ncel.asp.

Oliveira, T.R.; Costa, F.M.R. Desenvolvimento de aplicativo móvel de referência sobre vacinação no Brasil. J. Health Inform. 2012 Janeiro-Março; 4(1): 23-7.

Marin, Heimar de Fatima. Tecnologia da Informação e comunicação e a segurança do paciente. Pesquisa TIC SAÚDE. 2013. 69-75.

Camargo, Amanda Leite; Ito, Márcia. Utilização das tecnologias de informação e comunicação na área da saúde: uso das redes sociais pelos médicos. J. Health Inform. 2012 outubro-dezembro; 4(4): 165-9. 

Compartilhe

Saiba Mais

 

Redes Sociais