Publicada em 19/04/2017 às 16h12. Atualizada em 20/04/2017 às 00h12

Você já ouviu falar em mindfulness?

O uso dessa terapia cognitiva pode ajudar na prevenção de recaída para pacientes com depressão. Saiba mais

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

"O mindfulness é uma capacidade humana universal de estimular a pensar claramente e aberto." 

mindfulness, nos últimos 30 anos, tornou-se de grande interesse para a  medicina e a psicologia, chamando  a  atenção  para   seu  uso terapêutico. Segundo Ludwig e Kabat-Zinn (2008). O mindfulness é uma capacidade humana universal de estimular a pensar claramente e aberto.  O objetivo é manter-se consciente do momento desatando-se de fortes crenças, pensamentos ou emoções. Por conseguinte, desenvolve-se melhor o senso de equilíbrio emocional e bem-estar. Outra definição mais descritiva é o  mindfulness como a consciência que emerge quando prestamos atenção  para  uma experiência particular, no presente e de forma não-julgadora.

Na psicologia, o mindfulness foi adotado como uma técnica sistematizada, possível de ser ensinada e treinada.  Na psicoterapia, é utilizada para aumentar a percepção e as reações habilidosas para processos mentais que  contribuem para   o  estresse emocional e comportamento mal adaptado.

Pesquisadores, atualmente, têm buscado investigar o uso do mindfulness em diversos tratamentos e para diversos transtornos, tais como: doenças crônicas, prevenção de recaída de depressão, abuso de substâncias psicoativas, transtornos de ansiedade, estresse, transtorno de personalidade, borderline, transtorno da compulsão alimentar  periódica  (TCAP),   tricotilomania, entre outros. Há evidências de que as habilidades em mindfulness estão ligadas à saúde física e mental.

Um dos transtornos que vem utilizando o mindfulness no seu tratamento é a depressão maior. O paciente, após o primeiro episódio depressivo, tem boas probabilidades de  entrar  em remissão de sintomas de forma espontânea.   Porém, em longo prazo, há uma probabilidade de recidiva de 50-90% dos casos. Após o primeiro episódio depressivo, o paciente possui 35% de chance de ter uma próxima recaída. Além disso, a probabilidade de ter uma recaída aumenta com cada episódio depressivo.

O tratamento usual costuma ser a administração de antidepressivos, porém esse método possui efeitos colaterais que podem comprometer mais ainda o paciente e seu engajamento no tratamento.  A Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness surge, então, como uma possibilidade de tratamento alternativo e mais efetivo que alguns tratamentos usuais para a prevenção de recaídas em depressão recorrente.

A terapia, através da prática do mindfulness tem por objetivo tornar os indivíduos mais atentos aos pensamentos e sentimentos e a relacionar-se com eles de forma mais ampla e de perspectiva descentralizada. Dessa forma, ensinando-os habilidades para prevenir a escalação de padrões de pensamentos negativos em tempos de potencial recorrência/recaída.

"A Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness surge, então, como uma possibilidade de tratamento alternativo e mais efetivo que alguns tratamentos usuais para a prevenção de recaídas em depressão recorrente."

Um estudo randomizado clínico apontou uma diminuição de, aproximadamente, metade do número de reincidência/recaída em pacientes com transtorno depressivo com a utilização do mindfulness. Com relação a sua aplicação, tem- se mostrado como uma opção rentável por ser oferecido o treinamento de habilidades em grupo. Não obstante, um artigo apresenta dados de que o  mindfulness é  tão  efetivo quanto manter o uso de  medicações antidepressivas para  prevenir recaídas  em pacientes com três ou mais episódios depressivos.  Além disso, os pacientes que receberam o tratamento pela Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness citaram até menos sintomas depressivos e maior qualidade de vida.

Benefícios da TCBM

A Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness vem indicando diversos benefícios para o sujeito, além de prevenção de recidiva.  Percebeu-se redução nas ideias suicidas em pacientes em remissão dos sintomas após a intervenção com a  TCBM.  Essa redução apresenta estar ligada à habilidade desenvolvida com a mindfulness em se distanciar de pensamentos preocupantes. 

A intervenção da TCBM aumenta a capacidade de descentramento e abertura diante de situações, sendo que essas duas habilidades podem indicar a sua eficácia. Além disso, com o treinamento na TCBM, os pacientes aprendem a  ter respostas mais funcionais, diante de tendências anteriores de evitar situações aversivas e regular a disforia de formas que auxiliem a recuperação.

Pacientes que receberam intervenção da TCBM indicaram melhor aproveitamento e resposta  às atividades de lazer do dia. Além disso, percebeu-se associação entre a Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness e emoções positivas pelos participantes. Esses benefícios associados à  TCBM  indicam ser independentes  da  redução  da   sintomatologia depressiva. Além disso,  percebeu-se que os aumentos nas emoções positivas foram associados à diminuição dos sintomas residuais depressivos apresentando um potencial  variável na prevenção de depressão.

No uso da TCBM, em conjunto com antidepressivos, percebeu-se melhora da qualidade de  vida  dos pacientes, redução, em curto e longo prazo, do humor depressivo e aumentou os estados de humor positivos.

Os resultados positivos obtidos a respeito do uso da MBCT em prevenção de recaídas de pacientes com depressão maior recorrente  tem  mostrado correlação com a metanálise realizada por Piet e Hougaard. 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O tratamento de depressão é de grande importância devido à alta prevalência e ao impacto na saúde da população global. Dados desta revisão indicam que  a   Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness é uma alternativa efetiva na prevenção de recaídas  para  pacientes com depressão  maior reincidente e diminuição dos sintomas depressivos residuais. Além disso, o tratamento  não  oferece os  efeitos colaterais  possíveis nos medicamentos antidepressivos. A intervenção utilizando a MBCT é indicado para pacientes vulneráveis a  depressão, vulnerabilidade  que pode ser  percebida   pelos níveis de  sintomas depressivos residuais ou pelo fato de haver depressão reincidente. O tratamento com a Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness apresentou  que  pode  trazer  diversos benefícios para  vida  do  sujeito, envolvendo melhora na qualidade  de vida, humor e diminuição de risco de suicídio.

A falta de artigos brasileiros envolvendo mindfulness e depressão nos data-base pesquisados indica uma necessidade maior de divulgação e pesquisa desse tema devido ao seu potencial já discutido. A prática da MBCT  no tratamento  de  depressão, no Brasil, poderia também facilitar na redução de custos com medicamentos do Sistema Único de Saúde (SUS).

Confira o artigo científico na íntegra

Referências:

American Psychological Association (2000). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (4th ed.). Washington,  DC: Autor.

Baer, R. Mindfulness  training as a clinical intervention:  A conceptual and empirical review. (2003). Clinical Psychology: science and practice,10(2),125-143.

Beck, A. (1961). An inventory for measuring depression. Arch Gen Psychiatry, 4(6), 561-71.

Bieling, P., Hawley, L., Bloch,  R., et al. (2012). Treatment-specific changes in decentering following mindfulness-based cognitive therapy versus antidepressant medication or placebo for prevention of depressive relapse. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 80(3), 365-372.  doi:10.1037/a0027483.

Bishop, S.R., Lau, M., Shapiro, S., Carson, L., Anderson, N., Carmody, J., Segal, Z., Abbey, S., Speca, M., Velting, D., Devins, G. (2004). Mindfulness:  a proposed operational definition. Clinical Psychology: science and practice,11(3):230-241.

Crane, R. (2009). Mindfulness-based cognitive therapy. London: Routledge.

Eaton, W., Shao, H., Nestadt, G., Lee, B., Bienvenu,  O., Zandi, P. (2008). population-based study of first onset and chronicity in major depressive disorder. Arch Gen Psychiatry, 65(5), 513.

First, M. (2004). Structured clinical interview for DSM-IV-TR axis I disorders. New York, N.Y.: Biometrics Research Dept.

Forkmann,  T., Wichers, M., Geschwind, N., Peeters, F., van Os, J., Mainz,  V., Collip, D. (2014). Effects of mindfulness-based cognitive therapy on self-reported suicidal ideation: results from a randomised controlled trial in patients with residual depressive symptoms. Comprehensive Psychiatry, 55(8),1883-1890. doi: 10.1016/j. comppsych.2014.08.043.

Geschwind, N., Peeters, F., Drukker,  M., van Os, J., Wichers, M. (2011). Mindfulness training increases momentary positive emotions and reward experience in adults vulnerable to depression: A randomized controlled trial. Journal of Consulting and Clinical Psychology,  79(5), 618-628.  doi:10.1037/a0024595.

Geschwind, N., Peeters, F., Huibers,  M., van Os, J., Wichers, M. (2012). Efficacy of mindfulness-based cognitive therapy in relation to prior history of depression: randomised controlled trial. The British Journal of Psychiatry, 201(4), 320-325.  doi: 10.1192/bjp.bp.111.104851.

Godfrin, K.A., Van Heeringen, C. (2010). The effects of mindfulness-based cognitive therapy on recurrence of depressive episodes, mental health and quality of life: A randomized controlled study. Behaviour Research and Therapy, 48(8),738-746.  doi: 10.1016/j. brat.2010.04.006.

Hamilton, M. (1960). A rating scale for depression. Journal of Neurology, Neurosurgery & Psychiatry, 23(1), 56-62.

Hardt, J., Schultz, S., Xander, C., Becker, G., Dragan, M. (2012). The spirituality questionnaire:  Core Dimensions of Spirituality. Psychology, 03(01), 116-122.

 Hollon, S., De Rubeis, R., Shelton, R., Amsterdam,  J., Salomon,  R., O’Reardon, J. et al. (2005). Prevention of relapse following cognitive therapy vs medications in moderate to severe depression. Archives of General Psychiatry, 62(4), 417-412.

Kabat-Zinn, J. (1982). An outpatient program in behavioral medicine for chronic pain patients based on the practice of mindfulness meditation: theoretical considerations and preliminary  results. General Hospital Psychiatry, 4(1), 33-47.

Kabat-Zinn, J., Massion, A.O., Kristeller, J., Peterson, L.G., Fletcher, K.E., et al. (1992). Effectiveness of a meditation-based stress reduction program in the treatment of anxiety disorders. American Journal of Psychiatry, 149(7), 936-943.

Keuthen, N.J., Rothbaum, B. O., Fama, J., Altenburger, E., Falkenstein, M., Sprich, S., Kearns, M., Meunier, S., Jenike, M. A., Welch, S. (2012). DBT-enhanced cognitive- behavioral treatment for trichotillomania:  A randomized controlled trial. Journal of Behavioral Addictions, 1(3),106-114.

Kerkhof, A., Spijker,  B. (2011). Worrying and rumination as proximal risk factors for suicidal behaviour.  In: O’Connor, R., Platt, S., Gordon, J., ed. by. International Handbook of Suicide Prevention: Research, Policy and Practice. 1st ed. Chichester: John Wiley & Sons.

Kuyken, W., Byford, S., Taylor, R., Watkins, E., et al. (2008). Mindfulness-based cognitive therapy to prevent relapse in recurrent depression. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 76(6), 966-978.

Linehan, M. (1993). Cognitive-behavioral treatment of borderline personality disorder. New York: Guilford Press.

Lopes, R.F.F., Castro, F. S., Neufeld, C.B. (2012). A terapia cognitiva e o mindfulness: entrevista com Donna Sudak. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 8(1), 67-72.

Ludwig, D. S., Kabat-Zinn, J. (2008). Mindfulness in medicine. JAMA, 300(11):1350-1352.

Ma, S.H., Teasdale, J.D. (2004). Mindfulness-Based cognitive therapy for depression: replication and exploration of differential relapse prevention effects. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 72(1), 31-40.

Mueller,  T. I., Leon, A. C., Keller,  M. B., Solomon,  D. A., Endicott, J., Coryell, W., et al. (1999). Recurrence after recovery from major depressive disorder during 15 years of observational follow-up. American Journal of Psychiatry, 156(7), 1000-1006.

Piet, J., Hougaard, E. (2011). The effect of mindfulness-based cognitive therapy for prevention of relapse in recurrent major depressive disorder: A systematic  review and meta-analysis. Clinical Psychology Review, 31(6),1032-1040. 

Radford, S., Eames, C., Brennan, K., Lambert,  G., Crane, C., Williams, J., Duggan, D., Barnhofer,  T.( 2014). Trait mindfulness as a limiting factor for residual depressive symptoms: an explorative  study using quantile regression. PLoS ONE, 9(7), e100022. doi: 10.1371/ journal.pone.0100022. eCollection 2014

Segal, Z., Bieling, P., Young,  T., MacQueen, G., Cooke, R., Martin,  L., Bloch, R., Levitan,  R. (2010). Antidepressant monotherapy vs sequential pharmacotherapy and mindfulness-based cognitive therapy, or placebo, for relapse prophylaxis in recurrent depression. Arch Gen Psychiatry, 67(12), 1256-1264. doi: 10.1001/ archgenpsychiatry.2010.168.

Segal, Z., Williams,  J., Teasdale, J. (2002). Mindfulness-based cognitive therapy for depression. 1st ed. New York : Guilford Press.

Teasdale, J., Segal, Z., Williams,  J. (1995). How does cognitive therapy prevent depressive relapse and why should attentional control (mindfulness) training help?.Behaviour Research and Therapy, 33(1), 25-39.

Teasdale, J., Segal, Z., Williams,  J., Ridgeway, V., Soulsby,  J., Lau, M. (2000). Prevention of relapse/recurrence  in major depression by mindfulness-based cognitive therapy. Journal of Consulting and Clinical Psychology,  68(4), 615-623.

Teasdale, J., Scott, J., Moore, R., Hayhurst,  H., Pope, M., Paykel, E. (2001). How does cognitive therapy prevent relapse in residual depression? Evidence from a controlled trial. Journal of Consulting and Clinical Psychology,  69(3), 347-357.

Telch, C., Agras, W., Linehan, M. (2001). Dialectical behavior therapy for binge-eating disorder. Journal of  Consulting and Clinical Psychology,  69(6),1061-1065.

Van Aalderen, J., Donders,  A., Giommi, F., Spinhoven,  P., Barendregt, H., Speckens.  (2011). A. The efficacy of mindfulness-based cognitive therapy in recurrent depressed patients with and without a current depressive episode: a randomized controlled trial. Psychological Medicine, 42(05), 989-1001. doi: 10.1017/ S0033291711002054.

Williams, J., Crane, C., Barnhofer, T., et al. (2014). Mindfulness- based cognitive therapy for preventing relapse in recurrent depression: a randomized dismantling trial. Journal of Consulting and Clinical Psychology,  82(2), 275-286. doi: 10.1037/a0035036.

Compartilhe

Autor(es)

  • Gustavo Siquara / CRP03: 8890

    Psicólogo com experiência em Neuropsicologia e Neurociências. Mestre e doutorando no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFBA. Docente na Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública e da Universidade Estadual da Bahia.

  • Micael Santana Rizzuti /

    Graduando em psicologia na Universidade do Estado da Bahia – UNEB. Salvador, Bahia, Brasil.

  • Neander Silva Abreu /

    Professor na Universidade Federal da Bahia. Coordenador do Laboratório de pesquisa em Neuropsicolgoia Clínica e Cognitiva. Salvador, Bahia, Brasil.

Saiba Mais

     

    Redes Sociais